Versión para imprimir

2 de julio de 2014 | | |

A Copa que o mundo perdeu em Porto Alegre

Vídeo-documentário denuncia os impactos do mega-evento de futebol na capital do Rio Grande do Sul

Por André Guerra - Amigos da Terra Brasil

O Brasil, assim como muitos outros países do mundo, está sendo inebriado por uma névoa de avanços, melhorias, conquistas e vitórias. Sem dúvida, isso é importante. Sem dúvida, muitas dessas conquistas não podiam mais esperar para se tornarem realidade. Sem dúvida, a tecnologia e o progresso aproximaram os distantes e possibilitaram impossíveis. Não é essa a questão. O fato é pensar: e os custos? O como? A que preço? À custa de quem? Sob qual mando? Através de qual lei? Para estabelecer qual ordem? Supondo qual futuro? Pensando em qual sociedade? Por meio de qual estatuto político?

Talvez nesse momento a questão não seja nos determos naquilo que está posto como afirmado e positivado sob os desígnios dos “avanços” e do “progresso”. Estamos avançando. Está bem. Deixamos como ponto pacífico. Mas avançando para onde? Estamos evoluindo, isso é certo. Recentemente uma bióloga me ensinou que a evolução dispensa qualquer juízo de valor. Ela não é moral. Ou seja, a evolução é um fato. Estamos evoluindo, porém, se para o bem ou para o mal, a História e historiadores que virão depois de nós é que dirá. Depois de nós quem? Do ser humano como espécie ou de grupos específicos como classe? Outra questão.

A verdade é que no presente estamos lidando não com o “nosso” futuro de forma genérica, estamos a cada momento também lidando com as possibilidades concretas e objetivas de escolher, especificamente, quem e a que preço poderá ou não ter um futuro. Ou seja, no presente estamos inventando o futuro e os futuros possíveis ou barrados na nossa História – ou arqueologia, quem sabe. Não podemos determinar ou controlar o futuro, isso parece certo; entretanto, podemos produzir e inventar o presente, o “nosso” presente, como indivíduo, grupo, coletivo, organização, comunidade, nação, sociedade ou espécie.

O que assistimos nesse triste vídeo-documentário “A Copa que o mundo perdeu em Porto Alegre”, produzido pelos Amigos da Terra Brasil, Coletivo Catarse e Comitê Popular da Copa Porto Alegre, em parceria com organizações e movimentos locais e nacionais é um episódio, um recorte, uma vírgula que conseguiu escapar das estatísticas para ganhar corpo, carne e sangue na singularidade dolorida de irmãos e irmãs, companheiros e companheiras de viagem. O que esse trabalho mostra não é a realidade, mas é o cotidiano de uma dezena de pessoas que não são o todo, mas sofrem um sofrimento que é compartilhado por uma infinidade de pessoas em cada um dos recantos de nossas cidades, estados, países e continentes. Ao ver isso parece difícil recusar a pergunta: o que estamos fazendo? Para o que estamos fazendo? Para quem estamos fazendo?

O documento completo pode ser baixado no arquivo anexo.

Imagen: http://4.bp.blogspot.com

(CC) 2014 Radio Mundo Real 10 años

Mensajes

¿Quién es usted?
Su mensaje

Este formulario acepta atajos SPIP [->url] {{negrita}} {cursiva} <quote> <code> código HTML <q> <del> <ins>. Para separar párrafos, simplemente deje líneas vacías.

Cerrar

Radio Mundo Real 2003 - 2016 Todo el material aquí publicado está bajo una licencia Creative Commons (Atribución - Compartir igual). El sitio está realizado con Spip, software libre especializado en publicaciones web... y hecho con cariño.